h1

Michael is in the air!

junho 27, 2009

Semana agitada essa, não?

Abomino um clichê, mas é impossível passar batido (mesmo com o coração sentindo a perda de uma avó emprestada!) à morte de Michael Jackson.

michael

Quando li os comentários dos amigos no Facebook corri até a primeira página da Uol para ter certeza. Li no NYT, mas a vinheta do Jornal Nacional noticiava que ainda não era certa a notícia. Daí eu até respirei.

Mas uma profusão de vídeos do astro era linkada a todo instante no site de relacionamentos. Pessoas inconformadas com a brutalidade do fato. Confesso uma certa irritação. Afinal, MJ quase nunca era citado por lá. Bastou morrer para virar santo? _eu pensei…

Daí é que me enganei. Um mito nunca morre! E Michael Jackson fez parte da adolescência e descoberta de muitas pessoas, inclusive da minha. Nasci um ano depois de seu maior sucesso de vendas, Thriller, ser lançado e me recordo de quando meu irmão colocava o video e/ou o disco para tocar e eu corria de medo daqueles zumbis.

thriller

Vivi uma adolescência regada a Spice Girls, No Doubt, Aerosmith, Bon Jovi, Titãs Acústico MTV, muito Jagged Little Pill de Alanis e Malandragem de Cássia Eller. De Madonna eu ouvia só os clássicos, mas gastava fortunas com revistas importadas quando ela era a capa; meu vídeo preferido até hoje é The power of goodbye, que nem é tão classuda assim, mas… Depois desse, a musa, para mim, não tem mais a mesma importância… mas isso é assunto para outro post!

Michael Jackson nunca foi motivo de comentário algum de minha parte. E não porque eu não gostasse dele. Sempre fui tão ligado à música brasileira que numa fase de vício da Mtv eu mudava de canal quando qualquer foreign sound começava. Mas algumas coisas, ainda assim, eram eternas. Caso da imagem de MJ cantando Black or white.

Amava quando começava o clipe e eu aumentava a Tv até o último volume para dançar com ele. Era tão intensa a minha dança que em pouco menos de 5 minutos eu estava todo suado e cansado… porém, com o espírito evoluído e atingindo um grau de malemolência que nem quando eu frequentava baladas até as sete da manhã eu conseguia…

Michael se foi. Fez, sim, coisas inacreditáveis. Mas eu hoje prefiro lembrar daquele cara negro, de calças pretas com meia branca, que dançava muito e que, certamente, nunca mais vai alegrar multidões!

michael_jackson_1

Que sua dança alegre os céus e que sua música seja sempre uma lembrança boa no coração de seus fãs.

por Daniel Amarhal
Foto: divulgação!
Fonte/vídeo: Youtube

h1

SPFW: O importante é que emoções eu vivi!

junho 25, 2009

Não dá, tentei de todas as maneiras me ausentar da moda. Fugir pela tangente de um assunto que permeia a minha veia todo santo dia.
Confesso que fico triste, doente mesmo, quando um evento está acontecendo e eu não o acompanho. E não é diferente com o São Paulo Fashion Week.

André Lima

Lembro-me que as minhas primeiras passadas dentro da Bienal, onde acontece o evento, foram leves; era como se eu quisesse respirar cada segundo de moda naquele ambiente e sugar para meu cérebro todas as informações. Eu pagava micos homéricos (já dei presente para a Costanza e até escrevi uma cartinha para o Marcelo Sommer!!!) e nem me dava conta de que fazia papel de idiota.

Gloria Coelho

Mas o tempo, claro, passou. Ainda cumprimento algumas pessoas, faço tietagem com quem merece (Vitor Angelo, por exemplo!) e sorrio displicentemente para poucos (Patricia Cazé e Manu Carvalho são poços de educação!).

Daí que minhas unhas estavam prestes a sumir quando decidi visitar a 27ª edição do evento mais badalado da moda brasileira. Acompanhei todos os desfiles, vi todos os videos pela internet e me corroía por dentro, querendo estar lá respirando o mesmo ar que o Gil França e a Paula Reboredo (críticas sensatas de todos os desfiles, sem palpites exagerados, para o site de Erika Palomino).

V.Rom

Cheguei tímido no sábado e fui assistir Erika Ikezili. Do ponto de vista de um lojista eu olhava cada look e já imaginava uma vitrine, uma cliente da loja uÓ do borogodÓ (Multimarcas santista que vende as peças da estilista!) vestida com aqueles plissados, vestidos-origamis já tão famosos nas coleções de Erika. 

Erika Ikezili
Tendo em vista o olhar crítico de quem lê sobre moda desde os 13 anos (tenho 25!) eu repenso cada detalhe do desfile apresentado ao som do Yeah Yeah Yeahs, uma música classuda, diga-se. Bailarinas eram o tema da coleção e estas trajavam tecidos leves, golas plissadas e recortes muito bem pensados, mas que cansam as vistas de quem tem sede de novidades.

Erika Ikezili é profundamente ligada às suas raízes nipônicas e isso é visto a olho nu em suas peças. Mas daí transformar isso em ponto de partida para todas as coleções pesa um pouco. Claro que a estilista não pode de uma hora para outra trocar confetes por serpentina e querer, de repente, fazer malharia. Sua roupa tem a cara de sua cliente, mulheres antenadas. Mas, sei lá, anseio uma novidade que pode estar guardada na manga.
Desfile acabado, passeio rápido pela Bienal. Deixo as compras para o domingo.

Erika

Passada a sede de estar no Ibirapuera eu volto para o showroom da Dhuo. Fui trabalhar… buscar inspirações para textos que vão vir logo.

O domingo chega e a Bienal está mais cheia. Dia de Cavalera, Neon, Ronaldo Fraga. Acompanho uma amiga e apresento o mundo da moda à uma outra que escolheu o assunto como trabalho de conclusão de curso na faculdade de arquitetura. Curvas de Niemeyer e bordados de Lino Villaventura se dão as mãos.

Compro a revista Mag! e me deixo influenciar por cada foto, por cada editorial que dessa vez vem em DVD para assistirmos na TV; luxo dos luxos que chega a prender o ar.
Na pop-up store do evento são as obras do artista Mozart Fernandes que me enchem os olhos. Dá vontade de levar todos os seus trabalhos em carvão para casa. Sem contar que dá vontade de ficar horas e horas conversando com ele e sua escudeira fiel Monica. Dois artistas, dois seres lindos, duas almas iluminadas.

mozart fernandesEspaço Vértices na Pop Up Store, com obras de Mozart Fernandes
Foto: divulgação!

“Mas e os desfiles? O que você achou”? _  pergunta uma amiga.

Gostei de algumas coisas, me emocionei com outras e tenho receio de comentar sobre vários. Reinaldo Lourenço foi lindo. Osklen empolgou e Gloria encantou! Usei o Facebook durante os três primeiros dias e alfinetava sempre alguma coisa, caso do desfile desnecessário da Cia. Marítima e a nova coleção da Forum (sem) Tufi Duek que ainda guarda o ar do estilista. Já a Colcci dessa vez injetou um certo desejo, mas eu não gosto do jeans do final e nem da imagem de Gisele com faixa na cabeça.

Reinaldo Lourenço

Maria Bonita fez, sim, um desfile bonito. Mas, contrário a Gloria Kalil, acho o xadrez desnecessário no verão da marca. Quanto à Huis Clos, acho que se tivesse desfilado antes do feminino de Alexandre eu não teria visto as mesmas referências. Aliás, Herchcovitch deu banho de inovação e voltou a ser aquele estilista de que tanto gosto e trabalha o látex como ninguém. É claro que todo mundo que assistiu ao mise-en-scène ficou bestificado com a coleção e a trilha sonora que causava arrepios, mas que tinha um quê de Dolce & Gabbana, tinha!!!

Alexandre

Mas como o importante é que emoções eu vivi destaco o lindo desfile franco-cubano de Samuel Cirnansck. Teatral sem pesar, o nosso Galliano brasileiro trouxe o universo de Aleida Averhoff de la Riva para a passarela e misturou Edith Piaf e Marina de la Riva numa trilha de cortar os pulsos, obra de Jackson Araújo.

Marina de la Riva para Samuel Cirnansck

Assistindo ao desfile, custei a perceber que a própria Marina deslizava na passarela com um vestido curto e esvoaçante com estampa pincelada. Não sei se foi a emoção de ver minha musa ou Ne me quite pas rolando, mas me causou tanta emoção que até a fala eu perdi!

Samuel

Samuel pode ser tachado de cafona por fazer noivas e mostrá-las na passarela. Mas é um estilista que tem potencial criativo e sabe como transformar desejo em realidade. Depois de assistí-lo nem percebi as roupas de André Lima, ainda mais quando a voz de Bethânia me teletransportou para meu universo particular, onde só o que é arte salva. Fazer o quê? “Não vou mudar, esse caso não tem solução”!

Samuel noiva

por Daniel Amarhal
Fotos: Charles Naseh para Chic.

h1

Top 10 Fashion Rio: moda masculina.

junho 11, 2009

Celeiro de feminilidade, a moda tem focado muito pouco sua atenção aos homens. Ainda que metrossexuais se assumam é preciso uma certa paciência na hora de escolher o look certo, a griffe preferida.

Auslander coresCores que me aquecem na Ausländer

No Fashion Rio só R.Groove e Butch desfilaram coleções exclusivamente masculinas. A primeira apostou numa alfaiataria precisa, com coletes e terninhos bem bacanas. Enquanto a outra, label de Juliano Corbetta, trouxe sunguinhas-delírio para a passarela, apostando em modelos ousados enfeitados com lacinhos. 

r grooveColete-sensação R.Groove

Algumas marcas misturaram seus homens às mulheres e apostaram em peças mais confortáveis como a bermuda saruel (Totem) e o jeans degradè(Redley). Entre shorts curtíssimos e cores quentes (Ausländer) e bermudas de cetim (Melk Z-Da) o que se nota mesmo é o abandono da skinny, que dá lugar a calças largonas (TNG).

tngMacacão-desejo TNG

Querendo já antecipar meus desejos para a próxima estação selecionei o que mais gostei entre os looks masculinos. Vejam só:

butchSmoking de neoprene Butch já é hit!

RedleyBermuda com camisa eu já uso, agora jeans sobre jeans vou apostar! Redley

TotemBermuda saruel Totem é obrigação!

AuslanderVisual Dândi-C0ragem Ausländer que eu amo!

melk zdaJaqueta trabalhada e bermuda saruel em cetim Melk Z-Da. Fofuras corajosas!

redley 2Cardigã Redley para os dias frescos.

Totem 2Bermuda-clochard Totem, item indispensável!

por Daniel Amarhal
Fotos: Charles Naseh para Chic

h1

Fashion Rio: últimas impressões!

junho 11, 2009

capa

Enfim, mais uma temporada carioca se foi e a impressão que tive foi de um evento com sede de mudanças bruscas e profissionalismo por parte das marcas desfiladas. É muito fácil criticar a falta de criatividade, as cópias visíveis a olho nu nas passarelas. Difícil é prestar atenção na vontade dos estilistas de apresentar, cada um do seu modo, a sua melhor moda!

ju jabourJuliana Jabour

Algumas marcas merecem atenção redobrada. Caso de quem ousou mudar tudo e arriscar em novas modelagens, frescas criações, mesmo que estas pareçam confundir a cabeça da consumidora final. Juliana Jabour é uma delas. A estilista, famosa por seus vestidinhos em malha, lançou mão do caricatural e apresentou uma mulher mais madura e com sede de tendências-chave, como mangas bufantes, cinturas marcadas e vestidos-origamis. Eu comentei no Facebook que as novas consumidoras da marca provavelmente sejam as primas mais novas das de André Lima.

sta ephigeniaSta. Ephigênia

Na contra-mão do consenso, Luciano Canale aposta em mulheres-camaleoas para a sua Sta. Ephigênia. Famosa por seus looks festivos e jett-setters, a griffe carioca também inovou e foi corajosa demais para tanto. A coleção chega colorida, com interpretações em cima da obra de Yayoi Kusama e suas famosas (?) bolas. Muito paetê escama de peixe numa modelagem completamente desfocada daquilo que nos acostumamos a ver. Embora mereça atenção, acho muito mais a cara da Maria Bonita, fazer o quê?

Redley 2Redley

Coube a Redley fechar com chave de ouro. Comemorando os 25 anos de vida, a marca (re) lançou na passarela peças-desejo em minimalismo selvagem, com bermudas masculinas incríveis e um jeans em degradè que, de longe, foi o melhor da temporada. Gosto das calças altas e dos vestidos trapézio para as moçoilas. E embora eu seja contra a presença de famosos na passarela, Rodrigo Santoro só deu brilho ao gran-finale do Fashion Rio!

RedleyRedley

No mais, uma profusão de plumas na Tessuti que, dessa vez, errou a mão e parece ter buscado influências em Walerio Araujo. Mas, me desculpem, plumas no Verão não soa bem! Enquanto isso, Alessa Migani traz as referências da culinária para a moda e infesta o Verão 2010 de doces, pratos, taças, boquinhas e bocarras. Deliciosa de ver, experimentar e comentar. Mas, nesse caso, só as estampas já valem o comentário.

AlessaAlessa

Agora, se tem alguém que merece todos os aplausos e torna o Fashion Rio sinônimo de elegância plena esse alguém atende pelo nome de Lenny Niemeyer. O ti-ti-ti em torno de seu desfile foi tanto que os Facebookers amigos não paravam de falar a respeito. Um amigo fervoroso bradou a célebre frase: _”Lenny faz Beachwear Haute Couture”! E me diz se tem como não assinar embaixo?

O Rio nunca seria o mesmo sem essa maga da lycra, que pode simplesmente se dar ao luxo de decotar seus maiôs até o umbigo, torcer neoprene, dar laço em estampas de zebra que a gente quer sempre mais, que a gente não cansa nunca de elogiar. Porque, meus queridos, conseguir dar vida a míseros pedaços de tecido é uma lógica tão irracional como afirmar que dois e dois são cinco! Lenny é máxima, é única!

Lenny 2Lenny

E que me desculpem todos os outros, inclusive Luiza Bonadiman e Carlos Tufvesson que arrasaram, mas sem Lenny o Fashion Rio seria nada!

por Daniel Amarhal
Fotos: Silvia Boriello para Erika Palomino

h1

Fashion Rio: primeiras impressões!

junho 9, 2009

Com direção de Paulo Borges, o Fashion Rio começou na sexta-feira apresentando as coleções do Rio Moda Hype e seus novos estilistas desfilando suas coleções para o Verão 2010.

capaSalinas

Eu, particularmente, gostei de pouca coisa. Tendo em vista que uma Huis Clos-mania tomou conta das coleções dos novos e também já consagrados designers o que se pode esperar para a próxima estação é uma profusão de moulages, de construções, torções e afins.

StefaniaStefania

Gosto do macacão que abre a apresentação da Stefania e só. Adoro o beachwear selvagem da Butch, mas ainda assim, acho que falta ginga à coleção. Claro que o smoking de neoprene no final e os laços nas sungas dão show a parte, mas, me digam, quem vai à praia com a bundinha embrulhada para presente?

ButchButch

Destaque dos novos talentos, Fernanda Yamamoto refresca a moda jovem com seus vestidos feito nuvem e uma estampa a la Volpi que encanta. Pena que é quando a vista acostuma-se à beleza que o desfile termina!  Do masculino eu só consigo gostar das primeiras peças da R.Groove. A marca perde seu foco lúdico anterior e dá lugar à uma alfaiataria precisa e isso, sim, merece atenção!

Fernanda YamamotoFernanda Yamamoto

Abrindo oficialmente o calendário, a Maria Bonita Extra abre sua caixinha de surpresas e joga na passarela um doce de coleção. Influenciada por Dorothy, personagem do clássico O mágico de Oz, a moçoila MBE vai desfilar por aí infestada de paetês e saias transparentes. É delicado, é comercial!

Maria Bonita ExtraMaria Bonita Extra

O que me empolga mesmo é Melk Z-Da e seu desfile-protesto (parece que descobriram a fórmula do sucesso na passarela!) com seus vestidos-cartucheira e com recortes incríveis. A melhor coleção do estilista nos últimos tempos!

Melk ZDaMelk Z-Da

Salinas traz as cores de Almodóvar e esquece as de Frida Kahlo, como bem reverencia a canção de Adriana Calcanhotto. Mas a moda-praia da griffe chega explodindo, com engana-mamães que amarram aqui, desabam acolá. Desnecessário comentar que é bonito, sim, mas não tem nada de mais!

Aí o evento vai seguindo. Acquastudio invoca Rabanne, futurismo cansativo, exagerado! Mara Mac começa bem com seus brancos e seus terninhos cinza com flúor-limão na lapela, mas escorrega na moulage, enquanto a Têca surge caricatural homenageando Jane Birkin e Françoise Hardy. A coleção tem ótimas sacadas, adoro os looks florais. É, Saint-Tropez é aqui!

TecaTêca

Graça Ottoni exagera no cetim, mas traz cores boas para a passarela. Alguém se lembrou que é verão! A TNG chama Regina Guerreiro para a direção criativa mas o ti-ti-ti fica por conta da presença de globais na encenação. A coleção em si nem é toda ruim, tem sacadas espertas, caso dos pixelados no final. Mas aí, meu bem, não é preciso desfilar…

CantãoCantão

A segunda, 08/06, começa com a Apoena. Isabela Capeto do evento carioca, a marca traz bordados, flores, cores e amores. Homenagem sintética à Brasília de Niemeyer! Depois teve a Cantão com suas mulheres-aventureiras, devotas de Robinson Crusoé, trajando preto e branco paetizado e um jeans com listras enviezadas que é de babar. Moda fácil, claro. Mas, ainda assim, gostosa de ver e comentar.

Luiza BonadimanLuiza Bonadiman

Victor Dzenk também aposta na Riviera e traz vestidões soltos, estampas pixeladas e peixes em preto e branco que valem a investida. Já a Coven infesta seu tradicional tricô de pérolas, uma brincadeira fashion que dá super certo.

LuizaLuiza Bonadiman

Mas é claro que o melhor do dia fica por conta de Luiza Bonadiman e Carlos Tufvesson. A primeira deixa de lado sua verve romântica e aposta num mulherão que vai à festas e noitadas com maiôs recortados e cheios de macramê, amarrados no corpo, só pode ser. Enquanto Tufvesson protesta contra a homofobia, traz as cores do arco-íris para a vida real e encurta seus vestidos de festa, também carregados de paetês. Mostrando que, sim, é possível ser feliz na moda e na vida real. Amém!

Carlos TufvessonCarlos Tufvesson

Palmas calorosas!

por Daniel Amarhal
Fotos: Silvia Boriello para Erika Palomino

h1

Tudo novo, de novo!

junho 8, 2009

Afoito que sou por novidade não pensei duas vezes reestrear esse blog falando de novos estilistas, do projeto LAB, Casa de Criadores. Afinal, tudo novo, de novo!

Sei que já se passaram quase duas semanas desde que o evento aconteceu, mas acho que, ainda assim, nunca é tarde para se empolgar com coleções bem feitas e propostas que, mesmo cansativas, aumentam a nossa sede de moda.

Arnaldo Ventura V2010

Amigo íntimo de Arnaldo Ventura, acompanhei de perto algumas de suas coleções. Dessa vez o trabalho me impediu de ir assistí-lo e muito me arrependo de não ter arrumado tempo na agenda para ver sua glória dentro de um espaço criado para estilistas em ascensão. Arnaldo, enfim, agradou. E eu tive o prazer de ler resenhas e críticas a respeito de seu Verão 2010 em sites consagrados. Ganhei a semana quando vi que Erika Palomino o elegeu entre os dez melhores desfiles!

Arnaldo Ventura V2010Arnaldo Ventura Verão 2010

De fato, o verão proposto por meu amigo é cheio de intervenções e a maioria dos blogs comentou que a tal encenação na passarela se fez desnecessária. Eu, quando soube da ideia, não apoiei, imaginando que a crítica ia achar blasè. Mas, enfim, destacaram o mise-en-scène e deram valor ao que realmente interessa numa semana de moda, num desfile: _ a roupa!

LABarnaldoventura17Arnaldo e nossa musa-mor Bruna, sempre presente!

E roupa, meus queridos e amados leitores, é o que a gente quer ver e comentar. Não precisa o desfile ter um tema. Mas se tem, que este seja seguido até o fim. Para não confundir, para não caricaturar a coleção!

daniloDanilo Costa Verão 2010

Depois de Arnaldo, ou melhor, antes dele, Danilo Costa (com quem troquei mensagens por anos a fio via messenger e Orkut e conheci pessoalmente na minha passagem pelo showroom de Preta Nascimento) trouxe o universo infantil com o olhar de um menino romantizado por aplicações de corações e estampa de ursinhos. A inspiração veio de Jeff Koons, que eu amo. E a coleção, embora um tanto pastel demais (gosto de cores!), me agrada pelo simples fato de ser clean e atemporal. Dá vontade de sair por aí de regata com shorts curtíssimos e um sorvete de vanila, lambuzando a boca e a alma de sonhos!

Danilo Costa Danilo Costa Verão 2010

Jadson Raniere também foi uma grata surpresa. Seus curto-curtíssimos dão ar de superioridade num momento onde a crise afeta a preocupação de fashionistas e deixa até Miuccia Prada de cabelos em pé.

jadson raniereJadson Raniere Verão 2010

Eu, nada acostumado a transparências, ando pensando seriamente em voltar à academia essa semana só para ficar com o corpo sarado e usar sem medo umas camisas abertonas, com os decotes quase no umbigo; um visual meio glam-boy, meio The-Week-me-pegou-de-jeito! E olha que nem balada eu frequento!

urussaiUrussai Verão 2010

Mas, claro, o melhor de tudo isso foi ver a ascensão de marcas que quase não saem na Vogue, mas que pertencem a pessoas que trabalham duro para encher nossas vistas de fantasia e delírio. E a moda tem esse poder!

andre phergonAndre Phergon Verão 2010

Palmas para Walerio Araujo, João Pimenta, Andre Phergon, Urussai e Der Metropol que fizeram o melhor da temporada!

WalerioWalerio Araujo, sempre fervendo no final! E arrasando, claro!

por Daniel Amarhal
Fotos: Silvia Boriello para Erika Palomino (divulgação!)